Dúvidas Frequentes

Ácido Málico

Ele é produzido no Brasil?

O ácido málico que temos é importado, juntamente com os demais produtos de nossa linha. Não encontramos fornecedores no Brasil para o ácido málico.

Existem alternativas para o suco de maçã na Limpeza do Fígado?

Sim. Algumas alternativas que Andreas Mortiz sugere são: suco de cranberry (ou oxicoco, no Brasil) e suco de cereja azeda (não a doce, preta, é uma outra qualidade).
O suco de Cranberry pode ser encontrado em bons supermercados.
O ácido málico do suco da maça parece ter as melhores propriedades para deixar o fígado e a vesícula aptos a expelirem cálculos biliares de maneira fácil e eficiente. Tente beber o suco bem lentamente e\ou diluído em água.

O Ácido Málico equivale à fruta maçã ou não? Ele é tão eficaz quanto?

O ácido málico é tão eficiente quanto o suco de maçã, pois é o principio ativo desse suco responsável pelo amolecimento dos cálculos e dilatação dos ductos, no processo de limpeza hepática.

Tenho pedras na vesícula e já estão grandes, pois sinto muitas dores. Fiquei sabendo que há um produto que amolece as pedras. Vocês possuem algum produto deste tipo?

O produto que faz as pedras amolecerem é o Ácido Málico.
O objetivo de amolecer as pedras é removê-las da vesícula através do método da Limpeza do Fígado e da Vesícula.

Cálculos Biliares

É natural ou vantajoso ter certa quantidade de cálculos biliares no fígado?

Definitivamente não. A função dos ductos biliares é transportar a bile das células hepáticas para o trato intestinal, de modo similar a uma tubulação que leva água a uma casa ou a um campo. A obstrução dos ductos biliares também significa interromper a distribuição de oxigênio e nutrientes às células hepáticas, o que vai contra o planejamento natural do corpo. Então, não há nenhuma vantagem em ter os ductos biliares obstruídos. Como a bile também transporta toxinas para fora do fígado, se ele estiver congestionado pelos ductos biliares essa função vital fica impedida de ser realizada, e esse órgão ficará danificado, o que contribuirá para a toxicidade generalizada do corpo. A única “razão” de os cálculos estarem no fígado é prender e neutralizar toxinas que, de outra forma, poderiam entrar e danificar os intestinos. No entanto, como foi demonstrado várias vezes nos capítulos anteriores do livro, isso impede o funcionamento do fígado, levando a efeitos prejudiciais no corpo todo.

Expeli pedras vários dias depois da irrigação do cólon, após a última limpeza hepática, e senti cansaço até que todas fossem expelidas. Como posso ter certeza de que as pedras eliminadas pelo fígado também serão expelidas pelo meu corpo?

A maioria da pessoas elimina as pedras restantes durante a irrigação do cólon posterior à limpeza hepática. Se você continuar sentindo a cabeça pesada, cansaço e outros sintomas de toxidade no corpo, utilize algum laxante natural, como colosan, suco de aloe vera, óleo de rícino, entre outros. Deixe de usá-los quando o incômodo desaparecer. Em alguns casos de constrição intestinal ou outras congestões maiores, pode ser necessária uma terceira irrigação no cólon. Essas dificuldades, embora raras, geralmente se devem ao “cólon espástico”, uma condição crônica em um segmento do intestino grosso que impede as evacuações.

Colosan

Esse produto "Colosan" realmente limpa o intestino por completo?

O Colosan libera oxigênio no trato intestinal. O oxigênio tanto nutre o intestino como desprende as placas de restos alimentares que vão se aderindo ao longo do tempo nas paredes intestinais, limitando a absorção de líquidos e nutrientes, e reduzindo sua mobilidade ao longo do tempo.

Para quem tem intestino preso cronicamente, Andreas Moritz recomenda o uso de Colosan durante uma semana, tomando de 4 a 6 cápsulas 3 vezes ao dia (máximo de 18 cápsulas por dia). Esta é uma limpeza profunda, para eliminar as placas aderidas às paredes intestinais. Porém é necessário repetir essa semana de limpeza algumas vezes até ter os intestinos limpos por completo.

Nessa semana intensa de limpeza do cólon é normal e esperado deposições líquidas. Se espera que se vá minimamente 3 vezes ao dia ao banheiro. Mais do que liberar uma constipação ocasional, o objetivo é limpar os dejetos antigos aderidos às paredes do cólon, por isso, além de fazer o intestino funcionar, o objetivo desta semana é um funcionamento intenso mesmo, por isso a quantidade alta de cápsulas que é recomendada.

 

Para quem tem os intestinos presos e quer fazer a limpeza do fígado, é preciso limpar os intestinos antes. Então deve-se fazer essa semana de limpeza com Colosan e em seguida iniciar a preparação para a limpeza do fígado com o suco de maçã. Fazendo essa semana de limpeza com Colosan mensalmente, por exemplo, antes de cada limpeza do fígado, o intestino ficará limpo por completo antes mesmo de se concluir o ciclo de limpezas do fígado, o que representará um enorme ganho em termos de saúde, pois haverá a regularização tanto da digestão como da absorção de nutrientes.

Para os que sofrem de constipação crônica, pode-se tomar 1 ou 2 cápsulas por dia, diariamente. Ou tomar 4 a 6 cápsulas 1 vez por semana, para limpar dejetos acumulados naquela semana. Cada um encontra o uso que mais se adapta ao tipo de problema que sofre. Para os que tem o intestino com funcionamento regular, o uso do Colosan também é benéfico, oxigenando-o e nutrindo-o, e arrastando para fora algum dejeto que esteja preso em suas reentrâncias.

Melhor tomar antes ou depois das refeições? Como devo dosar? Como deve ser minha alimentação nestes dias? Preciso alterar minha rotina diárias nesse período?

O Colosan tem uma reação um pouco lenta e não desencadeia uma diarreia aguda. Pelo contrário, simplesmente sentimos que o intestino está funcionando e sentimos necessidade de ir ao banheiro, mas é algo que se pode controlar.
Sugerimos a senhora iniciar com 4 cápsulas 3 vezes ao dia, sempre antes das refeições, de preferencia mínimo 1 hora antes da refeição.
Pode acontecer de no primeiro dia a senhora ainda não sentir o efeito. Isso depende do grau de constipação da senhora e o efeito varia de pessoa para pessoa.
No segundo dia, observe o funcionamento do intestino… se no segundo dia, seguindo tomando 4 cápsulas 3 vezes ao dia, a senhora for somente 1 ou 2 vezes ao banheiro, pode subir a dose. Algumas pessoas com muito mal funcionamento intestinal não sentem absolutamente nenhuma reação até chegar a 6 cápsulas 3 vezes ao dia . Esse é o sinal que a dose deve ser maior, podendo cada um administrar sua dosagem chegando ao máximo de 6 cápsulas 3 x ao dia.
Ao encontrar a dosagem na qual a senhora vai ao banheiro pelo menos 3 vezes ao dia, manter essa dosagem por mais 6 dias.

Depois dessa semana de limpeza com Colosan para a preparação para a limpeza do fígado, a senhora poderá utilizar o Colosan sempre que sentir que o intestino não está funcionando bem. De 2 a 4 cápsulas já são suficientes para liberar a constipação.
Se sofrer de constipação crônica, pode tomar 1 ou 2 cápsulas por dia diariamente. Ou tomar 4 a 6 cápsulas 1 vez por semana, para limpar dejetos acumulados naquela semana. Cada um encontra o uso que mais se adapta ao tipo de problema que sofre.
Mas no caso desta semana de limpeza intensa, mais do que liberar uma constipação ocasional, o objetivo é limpar dejetos muito antigos que podem estar aderidos às paredes do colon, por isso, além de fazer o intestino funcionar, o objetivo desta semana é um funcionamento intenso mesmo, por isso a quantidade alta de cápsulas que é recomendada.

A alimentação é normal.

Tenho dúvidas em como tomar o produto.

Para quem tem intestino preso: Primeiro fazer a limpeza do cólon durante uma semana, tomando de 4 a 6 cápsulas 3 vezes ao dia (máximo de 18 cápsulas por dia) e depois dessa semana de limpeza, iniciar a preparação para a limpeza do fígado. Nessa semana intensa de limpeza do cólon é normal e esperado ter diarréias líquidas. É esperado que se vá minimamente 3 vezes ao dia ao banheiro.

Depois dessa semana de limpeza com Colosan para a preparação para a limpeza do fígado, pode-se utilizar o Colosan sempre que sentir que o intestino não está funcionando bem. 2 a 4 cápsulas já são suficientes para liberar uma constipação.
Se sofrer de constipação crônica, pode tomar 1 ou 2 cápsulas por dia diariamente. Ou tomar 4 a 6 cápsulas 1 vez por semana, para limpar dejetos acumulados naquela semana. Cada um encontra o uso que mais se adapta ao tipo de problema que sofre.
Mas no caso desta semana de limpeza intensa, mais do que liberar uma constipação ocasional, o objetivo é limpar dejetos muito antigos que podem estar aderidos às paredes do cólon, por isso, além de fazer o intestino funcionar, o objetivo desta semana é um funcionamento intenso mesmo, por isso a quantidade alta de cápsulas que é recomendada.

Tenho o intestino muito irritável e preso, comecei a tomar o colosan e só consegui tomar 3 dias pois passei muito mal. O processo de limpeza é assim mesmo, muita diarreia, líquido e irritação do intestino?

Sobre a irritação, Andreas Moritz diz que é causada pela própria toxidade do intestino, que quando dejetos antigos aderidos às paredes do cólon começam a ser mobilizados, geram essa irritação. Ou seja, é um incômodo durante o tratamento, mas é algo esperado, e inclusive benéfico. Se for muito incômodo, a dose deve ser reduzida. Encontre uma dose na qual o intestino funcione bem, mas que o incômodo seja tolerável.

Desodorante de Pedra de Sal

Os médicos têm alertado para o alumínio nas fórmulas dos desodorantes, que pode ser um possível componente cancerígeno e, ao pesquisar sobre o alúmen de potássio, vi que ele é um sulfato duplo de alumínio e potássio. Sendo assim, seria o mesmo alumínio que está sendo apontado como vilão ou há diferença? Vocês poderiam me explicar sobre o componente em questão?

No livro “Eternos Segredos da Saúde e do Rejuvenescimento”, ainda sem tradução para o português, Andreas Moritz diz:

 ”Ao examinar a lista de ingredientes da pedra desodorante, não tem porque alarmar-se com a palavra “alumen”. Alumen não é cloridrato de alumínio, mas sim um sal mineral natural que não está relacionado com o cloridrato de alumínio nem com o cloridrato de zircônio de alumínio. Os sais minerais da pedra desodorante não bloqueiam a transpiração, apenas eliminam o cheiro.

Recomendo as pedras desodorantes fabricadas com materiais naturais não tóxicos. São puras e inócuas e impedem que proliferem as bactérias quando aplicadas logo depois do banho.”

Tenho cheiro forte, o desodorante funciona para mim?

O alumen de potassio tem se mostrado bastante eficiente na diminuição do odor da transpiração. No site há bastante informação sobre como utiliza-lo de maneira a obter o máximo de sua eficiência, mas podemos destacar alguns pontos, já que a pergunta é específica a respeito do odor.

Primeiro, apenas para lembrar, ele não interfere na transpiração, como os desodorantes antranspirantes. Pelo contrário, permite a livre transpiração da pele. Portanto as pessoas que tem transpiração intensa, chegando a encharcar a roupa, vão continuar transpirando de acordo com a necessidade de seu organismo; reduzir o fluxo de transpiração não é a indicação do desodorante.

A função deste desodorante é, justamente, reduzir até eliminar os odores da transpiração.

E o que são esses odores? São gases, resultantes da atividade das bactérias que encontram na axila local ideal para se fixar, alimentar e reproduzir.

Para eliminar o odor, portanto, é necessário combater essas bactérias, e para isso, é muito importante seguir corretamente a indicação de uso do desodorante, especialmente nos casos de maior odor.

Ele deve ser aplicado com a axila limpa, idealmente após o banho, quando não há resíduos de suor já impregnados de bactérias que causam o odor. Deve-se molhar a pedra, e aplica-la vigorosamente, em uma área ampla da axila, passar bastante mesmo, para que a pedra se desgaste, como que criando uma película na axila (tudo isso claro, imperceptível ao olhar). É diferente dos desodorantes tipo roll-on, que são líquidos, e basta uma passada rápida para molhar a axila. É a fricção na pele, com ação da água, que dissolve a pedra de sal, e por isso a aplicação precisa ser abundante.

Dessa maneira, a axila se torna um ambiente impróprio para as bactérias, que não conseguem se fixar nem se reproduzir e, sem bactérias, sem mau cheiro.

Mesmo tomando todos esses cuidados, a eficiência do produto também tende a ser gradual especialmente nos casos mais extremos. Temos relatos de diminuição do mau cheiro nos primeiros dias, até sumir totalmente somente após algumas semanas.

É importante destacar também que, se a pedra for utilizada em algum momento do dia em que a axila já esteja transpirando ela pode ter contato com as bactérias do suor. Nesse caso, além de não impedir o mau cheiro, é bem comum que a própria pedra adquira um cheiro desagradável. Se isso acontecer, basta lavar a pedra em água corrente, até com sabonete mesmo se o cheiro estiver forte, para eliminar as bactérias do desodorante, para então voltar a utiliza-lo normalmente.

Também orientamos a deixar o desodorante aberto, sem a tampa, em um ambiente ventilado, pois a umidade dentro da embalagem também pode alterar as características da pedra. A tampa serve mais para proteção da pedra em caso de uma viagem, por exemplo.

Dúvidas em Geral

Tenho interesse em comprar as ervas para limpeza de rins e gostaria de saber se os produtos oferecidos pelo site vêm de outro país e se preciso pagar imposto de importação.

A grande maioria de nossos produtos são importados, mas as taxas de importação já estão embutidas no preço final dos produtos que a senhora vê no site.

Além do valor do produto, há que somar apenas o frete dos Correios para entrega em sua cidade.

Ervas para Limpeza dos Rins

A Receita Local é tão eficaz quanto a Receita importada original Andreas Moritz?

Não temos estudos mais aprofundados para sabermos se a receita local dissolve cálculos, como a Receita Importada. Então se o cliente está comprando as ervas para fazer a limpeza renal recomendada a cada 3 limpezas do fígado, para que as limpezas do fígado não sobrecarreguem os rins, mas não tem nem nunca teve doenças renais ou cálculos renais, então sugerimos o uso dessas ervas nacionais.

As ervas nacionais farão uma purificação profunda dos rins, liberando de qualquer sobrecarga proveniente das limpezas do fígado, e sendo ainda muito mais econômico que as ervas importadas, só não podemos assegurar que dissolvem cálculos, pois não temos estudos ainda para poder afirmar isso.

Por que a diferença de valor é tão grande?

O chá é composto por diversas ervas que não são encontradas no Brasil. Essas ervas importadas são compradas em dólares, mais frete, mais taxas de importação.

Qual a diferença da Receita importada original Andreas Moritz da Receita Local?

A Receita Importada é a receita que Andreas Moritz coloca no livro, comprada nos fornecedores que ele recomenda nos Estados Unidos. Essa receita comprovadamente dissolve cálculos renais, então se o cliente sofre desse problema, sugerimos o uso desse chá, temos comprovação de que será efetivo no tratamento. Para dissolver cálculos grandes é possível que a pessoa tenha que tomar 2 ou 3 receitas, em intervalos de 60 dias, até a completa dissolução dos cálculos.

A Receita Nacional, ou Local, é composta de ervas facilmente encontradas no Brasil, todas elas para limpar e purificar os rins, numa receita balanceada recomendada por fitoterapeutas.

Grãos de Prill e Pedras Cósmicas

A pedra cósmica ioniza a agua? Ela se torna hexagonal? O que é agua hexagonal?

Quando a água está em sua estrutura molecular natural, ela forma cristais de forma hexagonal, como os que vemos nos flocos de neve com seis pontas. Quando ela se "desestrutura" por contaminações energéticas, eletromagnéticas e outras ela também passa a hidratar menos e a nos transmitir menos vitalidade. Assim que, devolver a estrutura hexagonal para água - que nas grandes cidades estão invariavelmente desestruturadas - é um grande benefício que podemos fazer para nossa saúde.
As pedras cósmicas devolvem essa estrutura hexagonal para água além de ionizar, torná-la mais fina, oxigenar e aumentam muitíssimo seu padrão vibracional. Se ingerimos diariamente uma água com todas essas qualidades, isso desencadeia um processo de desintoxicação de nosso organismo, regeneração de tecidos, maior nutrição e hidratação celular, maior vitalidade e muitas outras curas que não imaginávamos que estavam relacionadas à baixa qualidade da água que bebemos.

Tenho um poço de aproximadamente 2000 litros de água, como faço para ter água alcalina nele, visto que não temos caixa de água aqui?

É um poço artesiano? Acredito que não vale a pena colocar dentro do poço os grãos de prill. Vale a pena manter o poço o mais intacto e menos manipulado possível.

O melhor é alcalinizar a água depois de retirada do poço.

O principal é consumirmos água alcalina. Se a água do banho também for de boa qualidade, melhor ainda, pois assimilamos água pela pele. Mas se a água que o senhor utiliza já é livre de cloro e fluor, já é um ganho imenso.

Então acredito que o senhor pode alcalinizar somente a água de beber e cozinhar.

Arrumar um recipiente de VIDRO, CERAMICA, OU AÇO INOX, colocar dentro os grãos de prill e pedras de energia cósmica na proporção adequada ao tamanho de seu recipiente, e consumir essa água para tudo - beber, chá, café, cozinhar.

Para recipientes de até 4 litros 1 saquinho de grãos de prill e 1 TRIO de pedras cósmicas são suficientes.

Para recipientes maiores, de até 8 litros, 2 saquinhos e 2 trios… e assim por diante.

Uso pote de vidro, mas minha Água Cósmica está com cheiro e sabor desagradáveis. Por que?

Existe um material, chamado metacrilato, que se assemelha muitíssimo ao vidro. Há no mercado potes para líquidos feitos desse material, que são vendidos sem que os vendedores sequer desconfiem que não é vidro, e sim metacrilato – na verdade um material plástico.

(Lembramos que a água cósmica não deve ser preparada em material plástico nem metálico, por conta de seu giro molecular, que pode provocar reação nesses materiais - apenas vidro ou cerâmica é indicado.)

Portanto, é importante se assegurar que o seu pote é mesmo de vidro e não de metacrilato ou outros acrílicos e polímeros, etc.. Pois a água cósmica pode reagir com ele, fazendo com que libere substancias na água que alteram seu aspecto, dando cheiro e sabor desagradáveis.

Se sua água cósmica apresentar aspecto estranho, faça um teste preparando a água em pote de barro, ou numa jarra ou até um copo - que seja seguramente de vidro. Isso certamente resolverá o problema, provando que o pote originalmente de ´vidro´ na verdade é de outro material que o imita.

A Água Cósmica, preparada com água pura de boa qualidade, deve ser leve, sem sabor ou odor, como uma água de nascente.

Uso um pote de vidro de 3L e completo a água quando está com ¼. As pedras ficaram esverdeadas e a água também. Como posso limpar as pedras? Como proceder para que a água não fique escura e esverdeada com sabor salubre?

O pote de água está exposto à luz solar?

Pois a cor esverdeada acontece pela presença de micro-algas, que se desenvolvem ao estar exposto à luz direta. Recomendamos lavar bem seu pote, e lavar os grãos de prill e pedras cósmicas com água oxigenada 10 volumes:

Colocar 2 dedos de água oxigenada num copo e mais 2 dedos de água.

Colocar grãos e pedras nessa solução durante toda uma noite. No dia seguinte enxaguar bem e voltar a utilizar. 

A água oxigenada elimina material orgânico e micro-organismos.

Depois disso, reinicie a preparação de água prill e cósmica, enchendo seu recipiente e esperando 24 hs até utilizar a água.

Se suas pedras e grãos estão em uso há muito tempo, é bom saber que é preciso limpá-las de tempos em tempos, seguindo essas mesmas instruções.

Dependendo da qualidade da água que a senhora utiliza essa limpeza deve ser com maior ou menor frequência, a cada 6 meses ou 1 ano é bom fazer todo esse procedimento.

Se o pote ficar opaco também é um sinal que o pote precisa ser lavado. As impurezas presentes na água vão se depositando na superfície do pote, e é bom jogar o fundo de água fora a cada período e lavar bem o pote e reiniciar o processo.

Limpeza de Cólon

Concluí a terceira limpeza e até agora eliminei entre 900 e mil pedras, de todos os tamanhos e cores. A maioria delas saiu na segunda e na terceira limpezas. Quando meu fígado vai melhorar?

Suas funções hepáticas começaram a melhorar desde o momento em que expeliu os primeiros cálculos. As pedras que congestionam os ductos biliares têm efeito sufocante nas áreas adjacentes às células hepáticas. Expelir pedras por meio da primeira limpeza hepática ajuda-as a “respirar” novamente, a produzir mais bile e a desintoxicar o sangue com mais eficácia. Embora os grandes ductos biliares continuem obstruídos, á medida que os canais menores expelem pedras, todos acabam limpos (com repetidas limpezas). Uma vez que todas as pedras tenham sido expelidas, o fígado pode se refazer e restabelecer suas funções normais. Será quando você notará os benefícios mais duradouros.

É realmente necessário fazer uma irrigação do cólon antes e depois de cada limpeza hepática?

Para melhores resultados, a limpeza hepática sempre deve ser precedida e seguida de alguma forma de limpeza do cólon (ver Mantenha seu cólon limpo, no Capítulo 5). O método mais rápido e confiável de liberar o cólon de áreas espásticas ou congestionadas é a irrigação colônica. Assim que o seu terapeuta do cólon disser que ele está limpo, você pode pular a etapa da irrigação anterior à limpeza hepática, substituindo-a por algum dos outros métodos para limpá-lo. Mas continue submetendo-se a irrigações colônicas depois de cada limpeza hepática, preferivelmente nos três dias seguintes. A irrigação do cólon feita depois da limpeza elimina qualquer cálculo que ali tenha se alojado. A experiência indica que sempre restam algumas pedras, e elas podem se transformar em fonte de irritação ou inflamação. Recomendo que não faça a limpeza hepática se não puder passar por uma irrigação colônica ou usar Colema depois.

Exames de ultrassom têm mostrado que meu fígado é graxo. Todo meu corpo está inchado e tenho vários caroços nos meus seios e na tireoide. Meu nível de colesterol no sangue está elevado e constantemente vomito alimentos. Será que uma limpeza hepática pode me ajudar?

Não existe um tratamento médico que elimine depósitos graxos do fígado. Mas, segundo Andreas Moritz, “Você pode provar ao seu médico que você mesma consegue reduzir e, inclusive, eliminar os depósitos graxos no fígado, ao limpar seus ductos biliares de todos os cálculos. O fígado pode ter acumulado esses depósitos por várias razões, como o excesso de proteínas, consumo de açúcar e álcool, estresse e falta de um bom sono. Seja qual for a causa da congestão do seu fígado, ao limpá-lo repetidamente, melhorará de forma gradual e se reconstituirá na medida das suas possibilidades. Considere um novo exame (embora eu não os recomende) depois da sua sexta ou oitava limpeza, e deixe que seu médico o compare com o anterior. A diferença será assombrosa. Uma vez que seu fígado esteja livre das gorduras acumuladas, depósitos similares também desaparecerão de outras partes do corpo, como, por exemplo, do peito, da tireoide, das artérias, etc. Tudo isso desde que, obviamente, você mantenha uma dieta equilibrada, pobre em proteínas, preferencialmente vegana, e um estilo de vida saudável.

Há algum efeito colateral provocado pelas irrigações do cólon?

Não existem efeitos colaterais, mas é possível que algumas pessoas apresentem sintomas parecidos com gripe ou dores de cabeça depois da irrigação. As toxinas que estavam inativas no cólon são descartadas e uma pequena porção pode ser reabsorvida pelo corpo. Esse tipo de crise passa rápido e a pessoa se sentirá melhor com outras irrigações.

O ideal para limpeza do colon é no sexto dia (dia da limpeza hepática real), no caso da escolha pelo Colosan, o certo é fazer o uso de uma semana dele para limpeza na mesma semana da preparação, ou seja, junto com o suco? O Colosan substitui a limpeza do cólon feita pelo Enema?

É muito grande o número de pessoas que entendem que podem substituir o enema (ou irrigação, ou hidrocolonterapia) por outros métodos, como sais de Epsom ou Colosan.
O Colosan NÃO substitui a limpeza intestinal com água. Somente a lavagem com água consegue retirar resíduos e/ou cálculos que ficam alojados nas reentrâncias do cólon.

O uso do Colosan é recomendado por Andreas Moritz para aqueles que tem intestino preso cronicamente, para liberar o cólon de dejetos antigos antes de iniciar a limpeza do fígado. O colosan NÃO substitui as lavagens com enema do protocolo padrão da limpeza do fígado.

Se a pessoa não está disposta a fazer essa lavagem com enema, melhor não fazer a limpeza do fígado, pois o número de cálculos que podem ficar presos nos intestinos é suficiente para desencadear fortes efeitos de toxidade. E segundo Moritz, nenhum outro método que induza mais evacuações - como Sais de Epsom e Colosan - consegue arrastar para fora do cólon certas pedras que se alojam em determinadas curvas do cólon.

Quanto tempo, aproximadamente, é necessário para receber os benefícios totais, depois que se completa uma série de, digamos, seis a oito limpezas hepáticas?

Assim que seu fígado expelir os últimos cálculos biliares, suas funções digestivas melhorarão significativamente, beneficiando todas as partes do corpo, além de dar a ele a oportunidade de se limpar e reparar os malefícios causados pelo acúmulo de cálculos no fígado e na vesícula. Qualquer reação à limpeza que possa resultar da eliminação das pedras deve ser considerada como efeito positivo. Se outras causas de doenças também foram anuladas (ver Capítulo5), essa fase será de curta duração e substituída por uma renovada sensação de bem-estar e vitalidade. Depois que o fígado estiver limpo, leva aproximadamente seis meses para que todas as funções hepáticas voltem ao normal. Ter um fígado limpo é uma das melhores garantias de uma vida livre de doenças.

Quantos tratamentos do cólon uma pessoa precisa para estar completamente livre de pedras?

O número requerido de tratamentos de cólon varia com as condições da alimentação e do estilo de vida da pessoa. Em alguns casos, os resíduos alojados na parede do cólon estão tão duros que são necessários até sete irrigações, aproximadamente, para suavizar e soltar as fezes acumuladas. Algumas pessoas podem não ter grandes resultados depois dos primeiros tratamentos. Por isso, são recomendados pelo menos três tratamentos, um por semana, para todas as pessoas que nunca fizeram essa limpeza. É muito importante monitorar a saúde do cólon, ficando atento a qualquer sinal de dor ou rigidez no pescoço, nos ombros, na parte inferior das costas, na pélvis ou nos braços. Essas dores avisarão que é o momento de fazer outra limpeza. Para detectar áreas escondidas de dor ou tensão no cólon, pressione levemente a área abdominal cerca de 5 a 10 centímetros a partir do umbigo – à esquerda, acima e à direita dele. Você também pode procurar alguma congestão no cólon com as mãos, buscando os pontos sensíveis ou rígidos nessa área.

Tenho 76 anos e sofro de osteoporose, problemas digestivos e outras doenças. Alguém da minha idade pode se beneficiar com a limpeza hepática?

Idade não é impedimento para que o corpo seja saudável. Enquanto o fígado estiver vivo, a limpeza hepática pode ajudar a melhorar suas funções e, desse modo, aumentar o suprimento de nutrientes e de energia a todas as células. O aspecto negativo do envelhecimento é somente um estado progressivo de desnutrição e toxicidade, que pode ser remediado com uma série de limpezas hepáticas e um ajuste na alimentação. Os anciãos respondem muito bem às limpezas hepáticas e mostram melhora na energia, na mobilidade física, na clareza mental e no apetite.

Limpeza de Fígado

As irrigações do cólon podem danificar a normalidade da flora intestinal?

A flora intestinal normal, que consiste em bactérias benéficas, não se alterará. A primeira parte do cólon é responsável por gerar e coletar a flora intestinal necessária para que as suas funções sejam equilibradas. O apêndice serve como o lugar principal de criação das bactérias benéficas. Quando o alimento não é digerido corretamente, as fezes tendem a se alojar no interior do intestino. Camadas e camadas de matéria fecal incrustada impedem que o recobrimento do intestino produza a flora intestinal necessária. A resultante falta de lubrificação intensifica a congestão e gera toxemia, que, por sua vez, altera o equilíbrio ácido-alcalino (pH) e inibe o crescimento de bactérias benéficas para superpovoarem os intestinos (as bactérias destrutivas ajudam a processar os resíduos, mas em compensação, produzem fortes toxinas). A limpeza do cólon ajuda a restaurar o pH normal dos intestinos. É nesse ambiente que a bactéria benéfica crescerá, enquanto as bactérias causadoras de doenças não se desenvolverão facilmente.

Devo evitar fazer a limpeza durante a menstruação?

Embora a limpeza hepática seja eficaz durante a menstruação, é mais conveniente e cômodo fazê-la depois do ciclo menstrual. O sangramento menstrual é também uma forma de limpeza do corpo, e assim é interessante não fazer ao mesmo tempo, mas não há contraindicação.

Durante cinco limpezas hepáticas, expeli mais de 1.200 pedras. Porém, na quinta limpeza, não expeli mais que 20. Isso quer dizer que meu fígado está limpo?

Não necessariamente. Pode ser que cinco limpezas tenham conseguido que você expelisse todas as pedras acumuladas em uma das duas redes principais de ductos biliares, mas a segunda ainda pode estar bloqueada. Talvez limpezas futuras abram esse ductos e, inclusive, façam você expelir ainda mais pedras, uma vez que os ductos biliares mais bloqueados e resistentes tendem a se abrir apenas quando os ductos biliares menos congestionados tenham sido abertos.

É necessário repor os eletrólitos e a flora intestinal depois de uma limpeza hepática?

Embora seja razoável a ideia de restituir ao corpo o que ele perdeu na limpeza hepática, acredito que é muito melhor deixar que ele faça o seu trabalho. Dessa maneira, é estimulado a se encarregar das suas necessidades, em vez de ser forçado a usar “muletas”. Além disso, é mais fácil restaurar os eletrólitos e as bactérias benéficas quando o trato intestinal está limpo. Na verdade, o equilíbrio é restabelecido em aproximadamente 48 horas.

Estou tomando suplementos alimentares. Posso continuar a tomá-los enquanto realizo a limpeza hepática?

Se não forem absolutamente necessários, o melhor é evitar suplementos e medicamentos durante a limpeza, para não sobrecarregar o fígado e facilitar a limpeza. Só convém usar medicamento durante a limpeza se for absolutamente indispensável.

Fiz os procedimentos para limpeza, porém acabei vomitando quase toda a mistura do limão com azeite. E agora o que devo fazer?

Mesmo vomitando o azeite, ele já pode ter feito a ação para desencadear a saída de cálculos do fígado. Siga os procedimentos da limpeza, inclusive a lavagem intestinal para ter certeza que não ficou nada preso nos intestinos. E volte a fazer a limpeza dentro de um ou dois meses.

Há algum azeite de oliva próprio para a limpeza hepática?

O azeite de oliva deve ser virgem ou 100% puro. Em geral, o que apresenta o rótulo “azeite de oliva extra virgem” é o melhor. Entretanto, leia o rótulo cuidadosamente. Entre outros itens, deve mencionar que não foi misturado com outros tipos de azeite. Infelizmente, em alguns países, o azeite de oliva é vendido como extra virgem, mas contém 80% de óleo de soja. O azeite de oliva real é de cor esverdeada. Evite os que apresentem cor dourada. O azeite orgânico tem o melhor sabor. Outros azeites também podem ser usados, mas não são tão eficazes quanto o azeite de oliva.

Já realizei oito limpezas hepáticas até o momento e me sinto muito bem. A maioria dos meus sintomas, incluindo úlceras estomacais, sinusite e dores de cabeça, desapareceu. No total, devo ter expelido aproximadamente 2.500 pedras. O que não entendo é por que minha primeira limpeza não produziu nenhuma pedra e a segunda, somente seis ou sete pedras pequenas. Durante a limpeza seguinte e, para minha surpresa, expeli aproximadamente mil. Pode explicar por que não tive êxito com as duas primeiras limpezas?

Você é uma das raras pessoas cujos ductos biliares hepáticos estavam gravemente congestionados por pedras e, por isso, precisou de três limpezas para suavizar as estruturas endurecidas e liberar os cálculos biliares. Não é verdade que as duas primeiras limpezas não foram eficazes. Foram sim, e fizeram o trabalho pesado de “escavação”, enquanto as limpezas seguintes simplesmente expeliram o que foi extraído por elas.

Li na Internet que as pedras que expelimos durante a limpeza hepática simplesmente são grumos de azeite de oliva. Isso é correto?

Segundo Andreas Moritz, há alguns herbaristas, médicos e estabelecimentos bem conhecidos que se esforçam para fazer com que os efeitos benéficos da limpeza hepática caiam no descrédito, dizendo que os cálculos biliares são, na realidade, “pedras de sabão” feitas por azeite de oliva ou produzidas pelo fígado em resposta à repentina e grande ingestão desse azeite. Esses indivíduos devem ter suas razões para fazer essas declarações, e não nos cabe comentá-las. Mas é evidente que não estão familiarizados com uma limpeza hepática, pois, de outro modo, veriam do que realmente são formadas as pedras, e o que aconteceria com seus corpos quando a realizassem. Segue abaixo respostas para cada uma dessas afirmações:

  1. O azeite de oliva não tem odor fétido que emana dos cálculos biliares. O cheiro é diferente daquele produzido pela matéria fecal.
  2. O azeite de oliva não pode se solidificar em estruturas relativamente dura ou densas, mesmo que fosse alterado quimicamente ou manipulado em um laboratório. Isso é ainda mais impossível devido ao pouco tempo que ele tem para passar pelo trato gastrintestinal e a total ausência de agentes que os engrossam.
  3. A análise dos cálculos expelidos revela a presença dos ingredientes básicos que compõem o liquido biliar. Muitas dessas pedras consistem de camadas de bile velha e de coloração verde-escura, o que não acontece da noite para o dia. O resto das pedras são típicos cálculos biliares calcificados encontrados na vesícula. As pedras de bilirrubina vermelho-escuras ou negras, que algumas pessoas expelem em suas limpezas, certamente não podem ser interpretadas como “pedras de sabão”.
  4. Durante a limpeza hepática, o fígado não expele nada além de cálculos biliares e bile. Nem o fígado nem o  intestino podem atuar como uma produtora de sabão.
  5. Uma vez que o fígado e a vesícula estejam completamente limpos, deixam de expelir cálculos biliares, depois de ingerida a mistura azeite de oliva/sucos cítricos. Se essas pedras estivessem formadas por azeite de oliva, também estariam presentes depois que os ductos biliares estivessem limpos e abertos. Mas não é o caso. A limpeza hepática não produzirá mais cálculos quando o fígado estiver limpo, independente do quanto de azeite a pessoa ingerir. Além disso, o azeite de oliva consumido durante as limpezas hepáticas nem sempre produzem os mesmos resultados. Durante uma limpeza, apenas 50 cálculos podem ser expelidos, sendo que, durante a próxima, esse número pode chegar a mil.
  6. Devido à intolerância ao azeite, algumas pessoas têm usado, por exemplo, óleo de macadâmia de cor clara durante as suas limpezas e produzido os mesmos cálculos de cor verde. Os cálculos de colesterol que se relacionam a esses cálculos verdes podem ser encontrados nos ductos de fígado dissecados.
  7. Se os cálculos são apenas “solidificados” de azeite, por que muitas pessoas ficam curadas de doenças crônicas depois de expelirem várias “pedras de sabão” durante as lavagens?
  8. Muitas pessoas liberam cálculos de diferentes colorações: preta, vermelha, verde, branca, amarela e marrom-claro. O azeite não contém agentes pigmentares; portanto não é capaz de produzir cálculos de cores diferentes.
  9. As pessoas que enviaram seus cálculos para análise química receberam relatórios de que quase todas as pedras eram constituídas por colesterol e sais. Esses componentes são idênticos aos dos cálculos de colesterol em vesículas que foram removidas. Um número muito pequeno de “cálculos” era constituído por matéria orgânica de origem desconhecida. Eles poderiam ser facilmente presos em ductos biliares associados a vesículas.
  10. Poucas pessoas, expelem cálculos inclusive na noite da limpeza, mesmo antes de tomar a mistura de azeite. Outras, que já fizeram várias limpezas hepáticas afirmaram ter cálculos expelidos durante a fase do suco de maça, todas sem auxilio do azeite. O formato, a cor e o odor dos cálculos que saem por conta própria não diferem daqueles liberados durante as limpezas reais.
  11. Foi a medicina convencional, e não o autor, que provou a presença de cálculos de colesterol nos ductos biliares do fígado. O termo medico para esses cálculos é “cálculos intra-hepáticos” ou “cálculos biliares”. Esses cálculos verdes, constituídos por colesterol e alguns componentes brilhantes, são, na verdade, gordurosos e se decompõem quando expostos ao ar quente e ao oxigênio. O próprio colesterol consiste em cerca de 96% de água. Esses cálculos de colesterol são decompostos rapidamente por bactérias quando liberados no meio ambiente. No entanto, isso não ocorre enquanto eles estiverem presos nos ductos biliares do fígado.
  12. Muitas fotografias de fígados dissecados, indicando a presença desses cálculos nos ductos biliares do fígado, têm sido tiradas e mantidas em arquivos médicos de hospitais universitários.
  13. É um fato medico comprovado que milhões de pessoas eliminam uma substancia verde que consiste às vezes de dúzias de cálculos de colesterol verdes, em resposta à grande ingestão de alimentos gordurosos. Esses cálculos não são composto por óleos ou gorduras ingeridos. Eles são forçados a sair do fígado e da vesícula com a bile expelida. Não há diferença entre cálculos expelidos involuntariamente e os expelidos voluntariamente durante uma limpeza hepática.

A limpeza hepática não é o resultado de um efeito placebo. Os cálculos calcificados expelidos pela vesícula, geralmente depois de cinco a oito limpezas hepáticas, são idênticos àqueles encontrados em vesículas dissecadas. Eles não se desintegram e permanecem como cálculos rígidos. Apenas cálculos semicalcificados podem diminuir com o tempo, ainda que a parte externa permaneça intacta.

Andreas Moritz relata: “Sofri cerca de 40 crises de vesícula durante um período de mais de 10 anos, e minha vesícula foi compactada com os cálculos, causando uma pequena, mas dolorosa, escoliose. Desde a minha primeira limpeza hepática, nunca mais tive outra crise. A escoliose, entre outros problemas de saúde, sumiu após a minha vigésima limpeza. Depois disso, nenhuma das minhas limpezas anuais produziu nenhum calculo, mesmo fazendo exatamente o mesmo processo. Minha vesícula está completamente limpa e eficiente agora.

Há milhares de pessoas no mundo inteiro que salvaram suas vesículas com a limpeza hepática. Outras tantas readquiriram boa saúde e inclusive salvaram suas vidas com essas limpezas. Aqueles que intencionalmente promovem ou espalham estranhas e infundadas afirmações, dizendo que a limpeza hepática produz “pedras de sabão” de azeite, tiram das pessoas, e deles próprios, a oportunidade de cuidar de sua saúde. É algo com  que elas terão de conviver.

O que é melhor, fazer as limpezas a cada duas semanas ou a cada dois ou três meses?

Depende de você. Quando começar a fazer a limpeza hepática, recomendo que continue fazendo-a em intervalos regulares até que todos os cálculos sejam removidos. Às vezes, não fazer a limpeza por dois meses ou mais pode fazer com que a próxima limpeza se torne mais difícil e menos bem-sucedida. Depois de uma limpeza hepática, leva duas semanas, aproximadamente, para que um número suficiente de cálculos biliares se movimente do fundo do fígado até os ductos biliares hepáticos (saindo do fígado) para fazer outra eliminação que valha a pena. Você pode, se quiser, fazer a limpeza a cada três semanas, até que as pedras não sejam mais expelidas, ou então aumentar o intervalo entre as limpezas. Se decidir fazê-las a cada duas semanas, comece a beber suco de maça duas semanas depois da última eliminação principal. A maioria das pessoas prefere fazer a limpeza uma vez por mês. Em qualquer caso, é importante expelir todas as pedras, grandes e pequenas. Lembre-se de que mesmo umas poucas e pequenas pedras agrupadas em um dos ductos biliares maiores podem provocar sintomas de incômodos no corpo, como indigestão, inchaço, dores nas costas, entre outros.

Qual a dose exata de ácido málico a se tomar?

No rótulo do frasco diz q deve se diluir em 1 litro de agua 1 colher de cafe do acido malico. Mas no site diz diluir em 1 litro de agua 1 colher de cha do macido.

Qual orientacao devo seguir?

Não existe uma fórmula ´exata´ para a quantidade de ácido málico. A quantidade recomendada na edição condensada do livro da Limpeza do Fígado é de 2 a 3 gramas por litro (50g dá para 3 ou 4 limpezas completas, como está no rótulo), e isso equivale a meia colher de chá, ou uma colher rasa de café. Lembrando: essa é a dose descrita por Andreas Moritz na versão condensada do livro Limpeza do Fígado.

No entanto, na edição ampliada do livro, lançado bem recentemente, Andreas Moritz passa a indicar 5 a 6 gramas por dia, ou seja, simplesmente o dobro. Não significa que com a metade da dose a limpeza não será eficaz, pois foi indicada por Moritz por muitos anos! Porém, baseado nessa mesma experiência, ele resolveu aumentar a dose na reedição do livro.

Portanto, a recomendação mais “atual” a dose seria de uma colher de chá por litro de água.

A título de ilustração, lembramos que mesmo que opte pelo suco de maçã, a quantidade de ácido málico contida em cada maçã também pode variar.
Brevemente iremos substituir nosso frasco, que passará a vir com uma quantidade maior de ácido, caso alguém opte por seguir a receita da versão ampliada do livro, também ter ácido málico suficiente para o mesmo ciclo de limpezas. 
 

Qual é o papel dos cálculos biliares nas doenças infantis? Você menciona diabete, mas, e quanto à leucemia, à artrite reumatoide juvenil, etc.? Uma criança pode produzir cálculos biliares suficientes para contribuírem seriamente para haver uma doença?

Cada vez é mais evidente que os cálculos biliares se formam tão facilmente nas crianças quanto nos adultos. Na verdade, idade não é fator de risco para a produção de cálculos. Muitas crianças são literalmente envenenadas pelo que comem ou bebem. Não é de surpreender que muitas tenham acumulado centenas e, às vezes, milhares de cálculos biliares no fígado. Quanto maior o acúmulo, maior a possibilidade de sofrerem doenças graves, como as mencionadas. Andreas Moritz relata: “Eu mesmo desenvolvi cálculos biliares antes dos 6 anos e comecei a ter doenças a partir dos 8, em decorrência de uma alimentação baseada em proteína de origem animal. Crianças com 10 anos de idade ou mais podem fazer as limpezas hepáticas com a metade da dosagem de todos os ingredientes, ou seja, suco de maça, azeite, sais de Epsom e sucos. A menos que tenham uma estrutura pequena, jovens com 16 anos ou mais podem seguir as dosagens para adultos.

Quanto tempo um calculo biliar do tamanho de uma ervilha demora para se formar no fígado? Há a possibilidade de se formarem durante uma limpeza hepática?

Isso dependerá da quantidade de cálculos acumulada, do tipo de comida e bebida ingerida, seu estado emocional e seu estilo de vida. O álcool, o café, outros estimulantes e diuréticos, como o açúcar e as carnes vermelhas, levam imediatamente ao engrossamento da bile e, portanto, à formação de pedras. Algumas delas podem alcançar o tamanho de uma ervilha em semanas. Sendo assim, para ter e manter um fígado limpo, Andreas Moritz recomenda alterações de dieta e estilo de vida que menciona no livro, “Limpeza do Fígado e da Vesícula” além de realizar as limpezas hepáticas.

Tenho umas verrugas nos braços e antebraços, e algumas apareceram no último ano. Isso é sinal de cálculos biliares, tal como as manchas hepáticas na parte anterior nas mãos ou as manchas cor de café na área dos seios? Quando eu limpar o fígado e eliminar as pedras, as verrugas desaparecerão da minha pele?

Muitas dessas manchas de pele aparecem na proporção direta com os cálculos biliares existentes ou os de aparição recente, ao longo dos ductos biliares do fígado e da vesícula. Muitas delas tendem a desaparecer assim que o fígado e a vesícula estiverem limpos ou, em alguns casos, depois de expelir a maioria dos cálculos. Outra causa de verrugas, sardas e manchas hepáticas é a deficiência de selênio iônico (ver Tome minerais essenciais ionizados, Capítulo 5).

Limpeza dos Rins

Tenho pedras nos rins. Isto significa que NÃO POSSO fazer a limpeza do fígado antes de fazer a limpeza dos rins?

Sim. Para todos que tem histórico de pedras nos rins, precisam fazer ANTES DE TUDO um ciclo de limpeza dos rins, que consiste em tomar as ervas renais durante 20 a 30 dias. Depois de um mês, repetir o mesmo procedimento, já que as pedras não são dissolvidas em uma única limpeza. Após esta limpeza inicial dos rins, iniciar os ciclos de limpeza do fígado, e lembrar de que a cada 3 limpezas do fígado se deve repetir esta limpeza dos rins durante 20 a 30 dias.
No final de todo o processo a ideia é estar, além de fígado e vesícula limpos, ter também eliminado eventuais pedras dos rins e obstruções do cólon.

Limpeza Hepática na Gravidez

Estou grávida de 9 semanas. Gostaria de saber se posso fazer a limpeza.

O Dr. Moritz orienta esperar 6 semanas após o parto para se fazer as limpezas para que a circulação de toxinas, que é inevitável durante as limpezas, não venha a prejudicar o feto.
Mais recentemente o próprio Dr. Moritz publicou que acompanhou algumas mulheres grávidas que fizeram a limpeza e observou que não houve prejuízo, e sim benefícios que sempre ocorrem com as limpezas.
Fica a critério de cada um saber se a limpeza é emergencial, se vale a pena fazer antes do final da gravidez, ou se pode esperar, e fazê-las depois do parto.
Temos depoimentos sobre os benefícios da limpeza depois do parto, auxiliando o organismo a retomar seu funcionamento "padrão", que fica alterado durante a gravidez.

No entanto, para futuras gestações, Andreas Moritz recomenda que se elimine todos os cálculos biliares por meio de várias limpezas antes da concepção. Isso garantirá boa saúde tanto sua quanto do bebê, durante a gravidez e também depois do parto.

Óleo de Moringa

O óleo de moringa pode tomar? E qual é forma de tomá-lo?

O óleo de moringa pode ser tomado, sendo nutritivo como um azeite de oliva, óleo de coco e outros. Porém, acreditamos que seu melhor aproveitamento é utilizado na pele, que absorve todos os seus nutrientes e ainda se beneficia de suas propriedades hidratantes. Ele é de rápida absorção sobre a pele. Em questão de minutos, ele é completamente absorvido.

Oleo de moringa é um produto de uso facial e corporal?

O uso do óleo de moringa é facial e corporal. 

Ele tem rápida absorção, e desaparece na pele após poucos minutos da aplicação.

Como ele é o óleo puro, é perfeito para aplicação no rosto, com  um ótimo aproveitamento. 

Para o corpo ele pode ser usado para enriquecer o hidratante corporal, misturando algumas gotas do óleo a uma pequena porção de creme hidratante.

Quem tem pele oleosa pode usar? Uso noturno e diurno ?

Pode ser utilizado em pele oleosa, pois ele é absorvido rapidamente mesmo na pele oleosa e é de uso noturno ou diurno.

Ele contém, entre dezenas de outros nutrientes, cobre, que auxilia no bronzeamento.

Prata Coloidal

Essa água de prata coloidal que vocês vendem é realmente segura para tomar? É de boa qualidade? Andei pesquisando e tem alguns questionamentos sobre a mesma.

A qualidade da prata coloidal é dada pelo tamanho da partícula de prata que está em suspensão na água.

E o tamanho da partícula é dado pela voltagem que se utiliza para fazer a eletrólise, que gera os colóides de prata.

Nosso aparelho tem essa voltagem específica, e a prata é segura para  ser tomada.

Estou com o vírus da Chikungunya e gostaria de saber se o produto Prata Coloidal é recomendado para este tipo de coisa?

A prata coloidal sim combate o virus, e ainda mais eficaz neste caso, para combater rapidamente a infecção é o MMS, a venda no nosso site.

Para mais informações sobre o MMS:

https://sites.google.com/site/mmsembrasil/

Tem um site de vendas que consta que a prata coloidal causa o seguinte efeito colateral: a redução da flora intestinal, semelhante ao que acontece com antibióticos. É só repor a flora com medicamento adequado (Floratil)?

Pelo que temos observado, não temos tido necessidade de reposição da flora, ela se repõe muito facilmente num organismo saudável, segundo Andreas Moritz, que também não recomenda reposição de flora intestinal após a limpeza do fígado.

Da mesma forma, após o uso de prata coloidal, estando o organismo livre de algum processo infeccioso que eventualmente estava se instalando, a flora irá se recompor rapidamente no organismo saudável, sem nem mesmo necessidade de medicamento. Caso queira, pode tomar algo para acelerar o processo, mas não há necessidade.

Sais de Epsom

Tomar sais de Epsom pode ter algum efeito colateral? Em mim causa irritação no ânus durante a limpeza.

Os sais de Epsom (sulfato de magnésio) podem ser encontrados nas regiões montanhosas e fazem parte dos sais marinhos. Também pode ser fabricado sinteticamente, combinando minerais naturais. Enquanto seu fígado estiver congestionado, os sais de Epsom não causam efeitos colaterais. A irritação em seu ânus é decorrente das fortes toxinas que se desprendem durante a limpeza, não dos sais de Epsom. Se o seu trato gastrintestinal estiver completamente limpo de materiais tóxicos, o magnésio nos sais de Epsom seria simplesmente absorvido e não causaria maiores evacuações (o magnésio é um poderoso laxante). Não haveria irritação e, portanto, nenhum efeito colateral, como câimbras, gases e mau hálito. Essas formas incômodas somente se devem à eliminação de toxinas que, ao passarem pelo intestino delgado, alteram os sais de Epsom quimicamente, o que significa que, ao chegar ao cólon, ele não está mais no mesmo estado que foi ingerido.

Se sentir que, durante uma limpeza satisfatória, as últimas oito ou dez evacuações são constituídas somente de água, sem pedras nem sedimentos brancos de colesterol, reduza pela metade a dose das duas últimas porções de sais de Epsom. Se for alérgico ou intolerante aos sais, tente algum outro limpador natural do cólon, como óleo de rícino, Colosan e OxyPowder, que é composto por uma mistura de vários óxidos de magnésio. A desvantagem com relação a maioria dos outros limpadores de cólon é que, diferentemente dos sais de Epsom, eles não abrem os ductos biliares para liberar cálculos biliares no trato intestinal, sendo essa a parte essencial da limpeza.